Assine a feed desta seção!
Assine os comentários do site
Siga o Delfs no Twitter!

Plataformas: PS2
Versão analisada: PS2
Desenvolvedora: Sony Computer Entertainment America
Editora: Sony Computer Entertainment America
Ano: 2005
Gênero: Beat'em up estragado por puzzles genéricos
Nota:



God of War

Publicado em 16/8/2006 às 00:00


O delfonauta mais dedicado já sabe quão insatisfeito estou com o mundo dos games atualmente. É incrível o estrago que jogos como GTA fizeram. Agora 98% dos jogos envolve missões opcionais chatíssimas e a ainda mais chata obrigação de ir até as fases para começar a jogar “de verdade”. Nos jogos atuais, você passa 60% dos games nas fases e pelos menos uns 40% indo até elas. E a ação. Deus, o que aconteceu com os jogos de ação? Será que as desenvolvedoras acham que a definição de “ação” é empurrar caixas para lá e para cá?

Pois é, com isso, pessoas como eu ficam extremamente carentes de jogos que focam na porrada, no “matar inimigos” per se, entende? E mesmo quando achamos jogos tremendões, com um sistema de combate cabuloso, acabamos passando mais tempo backtracking (a mania chata de voltar por cenários pelos quais você já passou – e por onde já matou todos os inimigos – como uma tentativa desesperada de dar a impressão que o game é maior do que realmente é) ou empurrando caixas do que chutando traseiros. Um bom exemplo disso é o Devil May Cry 3, que tinha tudo para ser tremendão, mas peca justamente ao privilegiar elementos secundários sobre a ação. Será que sou só eu ou o delfonauta também sente falta de jogos onde o único objetivo é matar inimigos?

Bem, outro que entra nessa descrição é este God of War, que é um dos melhores jogos de PS2 que já tive o prazer de jogar, mas infelizmente sai do páreo dos melhores jogos da história (e abre mão do Selo Delfiano Supremo) por não focar onde deveria: nos seus elementos de beat’em up. Mas vamos por partes.

God of War é maravilhoso. A começar por sua história. Você controla Kratos, um espartano com uma personalidade bem semelhante à do Wolverine e que, assim como o carcaju, também é atormentado por seu passado. O que aconteceu para traumatizar o cara é contado aos poucos e só será 100% revelado próximo à batalha final. Mas o desavisado jogador já especula que deve ser algo horrível, pois o objetivo para Kratos sair matando metade da Grécia é justamente ser perdoado pelo que ele fez.

Mas calma, sair matando metade da Grécia? Vamos por partes. O jogo começa em um navio que está sendo atacado pela Hidra (não a organização criminosa dos quadrinhos da Marvel, o bicho mitológico mesmo, aquele em que cada cabeça que você corta faz crescer mais uma). Então, para se defender, você sai cortando várias cabeças do bicho ao longo da fase (provavelmente Kratos não manja de mitologia), enquanto mata seus soldados e boa parte da tripulação indefesa que fica pedindo ajuda sem parar. Até que no final, você encontra o cabeção da Hidra (que tem o triplo do tamanho das outras que você cortou no caminho) e tem que pirá-lo (não resisti à referência). Essa fase inteira e a própria luta com a Hidra é fenomenal e é ação pura. Mas o jogo esfria bastante depois disso.

Passada essa primeira fase, o navio chega a Atenas, que está sendo atacada por Áries, o deus da guerra. A deusa Atena, então, aparece para Kratos e promete perdoar o passado do herói (herói?) se ele matar Áries. Pois é, delfonauta. Seu objetivo neste jogo é matar um deus. Tremendão, hein? Para tanto, você precisa da caixa de Pandora, a única arma que pode permitir a um mortal matar um deus. Mas chegar nela não será fácil, pois ela está escondida em um templo repleto de armadilhas.

A partir daí, o bombadão sai em sua busca, deixando uma contagem de corpos absurda pelo caminho. Seus inimigos variam entre minotauros, medusas e harpias a até zumbis, além de muitos outros bichos saídos diretamente da riquíssima mitologia grega. Claro que vários elementos, como a própria natureza da caixa de Pandora (que ficou deveras decepcionante) foram modificados para servir à história do jogo, mas muitos outros, como a possibilidade de voltar dos domínios de Hades (para onde os mortos vão) à vida são devidamente explorados, levando aqueles que admiram o tema (como eu), ao delírio. E o final, uh-la-lá. Não se trata exatamente de um jogo difícil (a não ser que você escolha as dificuldades maiores), mas não dá para evitar de se sentir um tremendão quando você, por exemplo, resolve o templo de Pandora, ou realmente chega ao ponto de matar um Deus ou, principalmente, ao conhecer o destino final de Kratos, o qual eu não vou estragar aqui, pois é absolutamente recomendável que você jogue até o final.

O jogo é contínuo, ou seja, não é dividido em fases, a não ser por duas exceções, o navio do início e os domínios de Hades. Essa opção até é legal, pois temos a impressão de que estamos fazendo um tour pela Grécia antiga acompanhados de Kratos, mas a julgar pela luta contra a Hidra, poderiam existir outros chefes legais no caminho. Você só vai encontrar mais dois “grandes inimigos” além do primeiro e nenhum deles é tão legal quanto o monte de cabeças da grande serpente.

Ah, sim, como você está em uma missão pelos deuses, eles freqüentemente aparecerão para conceder as habilidades de utilizar os poderes deles. Você vai aprender com Zeus a atirar raios, com Hades a convocar almas perdidas para lutar por você e vai até mesmo arrancar a cabeça da Medusa e utilizá-la para petrificar seus inimigos e depois destruí-los. Mas o mais legal mesmo você aprende logo no começo do jogo, que é o poder de Poseidon, muito útil para as lutas contra os imensos Trolls que vão bloquear seu caminho.

Tecnicamente, God of War também é um espetáculo. Os gráficos estão entre os melhores que já vi o PS2 fazer e a trilha sonora é cabulosa, com faixas orquestradas tremendonas e pomposas, bem do jeito que eu gosto. Infelizmente, como já é padrão nos malditos jogos atuais, as músicas não tocam o tempo todo, apenas em momentos pré-estabelecidos, como quando você tem que destruir algumas dezenas de inimigos de uma vez ou no combate com os chefes.

Outra vantagem é que, quando você morre, volta bem pouco, então dificilmente será obrigado a jogar novamente 20 ou 30 minutos como costuma acontecer nos jogos atuais. Os pontos de saves também estão bem espalhados pelo mundo e, quando você estiver a fim de parar de jogar, é bem provável que encontre um nos próximos minutos.

O combate também é tremendão. Tem alguns combos e vários golpes e você freqüentemente terá oportunidade de fazer upgrades para aprender novas habilidades. A única coisa chata é a forma que escolheram para fazer isso. Você vai, durante todo o jogo, coletando bolinhas vermelhas, que servem como dinheiro. Quando você vai comprar upgrades, ao invés de simplesmente escolher o que quer, precisa ficar segurando o botão enquanto a sua quantidade de bolinhas vai diminuindo. No início, isso não parece ser um grande problema, pois são necessárias menos de 1000 bolinhas. Mas próximo à batalha final, os upgrades custam mais de 10000, o que fará com que você passe uns três minutos só segurando o botão esperando pagar o preço. Acredite, é um saco.

Mas se esse fosse o único problema, God of War seria digno do Selo Delfiano Supremo. Infelizmente, tem mais defeitos e são as malditas caixas a serem empurradas. Em determinado momento no templo de Pandora, você tem que empurrar uma caixa ladeira acima, o que já seria chato para burro. Mas não satisfeitos, ainda aparecem inimigos que ficam batendo em você. Um golpe que eles acertam faz você largar a caixa e ela desce pela ladeira, obrigando o pobre jogador a começar tudo de novo e a considerar seriamente a idéia de quebrar seu controle. E nem adianta matar os inimigos, pois aparece mais pouco depois que você mata. Esse é um dos momentos de games mais frustrantes que já vi. Tem horas que você está nos últimos metros e o bicho acerta você. Não consigo entender como os desenvolvedores acharam que um desafio desses seria divertido.

Outro momento muito chato é imediatamente antes de chegar ao templo de Pandora. Você está em um deserto enorme e tem que encontrar três sereias e matá-las. A única coisa que você tem para ajudar a guiá-lo é o som do canto delas. Mas, como você já deve saber, o surround do PS2 deixa muito a dever, ou seja, você tem que se virar praticamente sozinho. É um saco.

Tirando esses dois momentos que são os piores (quiçá até da história dos videogames), ainda existem muitos outros puzzles e coisas que acabam afastando você da ação, principalmente no templo de Pandora, onde você vai passar praticamente metade do jogo.

Ainda assim, recomendo God of War com todas as minhas forças pois, apesar dos defeitos, se trata de um dos melhores da safra atual. O mais triste quando você acaba de jogá-lo é pensar como os desenvolvedores chegaram perto de fazer um beat’em up fenomenal, mas escolheram piorar o jogo colocando puzzles pentelhos e genéricos, que poderiam ser encontrados exatamente iguais em quase qualquer outro jogo da atualidade. O combate, a história e o prazer que dá matar monstros da mitologia grega, contudo, só podem ser encontrados aqui. E é justamente por isso que, se você ainda não experimentou God of War, deveria. Sério mesmo.

Leia mais sobre Mitologia.




 
Comentário de awfaz, em 20/1/2008, às 11:48
Não Concordo:
God Of War segue o mesmo modelo de jogos como Onimusha, Devil May Cry... Mas agora uma versões com personagens "americanizados". Muitos podem me apredejar, mas God of War não inovou em absolutamente nada. E desde quando puzzles inteligente (que é o que eu mais admirei em God of War) estragam o jogo?
Comentário de morgado, em 16/9/2007, às 17:19
boa Noite....xamo-me Lilianne e tou a jogar ao god of war um jogo espectacular...mas estou kxe a termina-lo e nao consigo sair do mesmo sitio, sera k me podem ajudar??
estou numa parte k ele esta no fundo do mar se nao é mar dentro de um santuario onde ganhei o tridente....estou numa parte k tenho uma saida mas nessa mesma ta uma plaka de madeira k korrente por mais depressa k me despache acaba po me apnhar sempre n sei o k fxer acabo smpre por morrer...gostava k me ajudaxem ja k estou a terminar o jogo!!!!
bjinhos *****
OU SEJA ESTOU ENCVALHADA NOS 2 JOGOS LOL
Comentário de ZeR0, em 5/5/2007, às 23:13
ae vlh god of war e um jogo "sem defeitos" (porque nada é perfeito) pra mim. Maninhuw, eu lendo aki percebi que vc gosta de facilidades =/
vc naum tem a paciencia para procurar as meduzas no deserto, pelo visto naum gosta de bolar estrategias p/ subir levando a caixa e colocalas ond naum desçam...=(
gstei do q vc postou ai mais so que vc se parece mtu com meu amigo rennan, ele gsta de facilidades tbm, tanto é q a maioria dos jogos ele detona no easy ou medium....
matar matar matar matar matar matar matar matar matar matar matar matar matar matar matar matar matar matar matar, naum e tudu naum..... matar naum e naum e naum e tudu sabe....
tem q ser estrategico e habilidoso...
OBS: eu to digitando isso, naum com intençao de deixar ninguem com raiva ok=
muito pelo contrario...vc e legal manimw...
e bola pra frent^^
auehaueauhe!!!!
é pelo o que eu li no começo do cadastro, dependendo d como vc avaliar meu "comentario" axu q vai me bloquiar ou apagar meu comentario...
mais e isso^^eu num vo fik cum raiva=
mais td bem...qlqr coisa vc ja tera lido o que eu escrevi^^
flw boy...
Comentário de riroca, em 10/11/2006, às 11:43
Olha!! o parte das sereias é chatão mesmo, mas a da ladeira eu não concordo, da pra se divertir um pouquinho com aquilo. Hoje em dia tem muito jogo de estratégia, e quem quer a porradaria fica a ver navios. Muito boa a idéia do herói se matar no começo do jogo!!!
Comentário de Hally, em 20/9/2006, às 18:54
buaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa eu quero sabe
Todos os comentários

21/10/2014 - Diablo III: Reaper of Souls – Ultimate Evil Edition
18/10/2014 - Styx: Master of Shadows
13/10/2014 - Contrast
6/10/2014 - Oddworld: New ‘n’ Tasty
29/9/2014 - Outlast
27/6/2014 - PS4
24/6/2014 - Watch Dogs
17/6/2014 - Chaves Kart
29/4/2014 - Castlevania: Lords of Shadow 2
7/4/2014 - South Park: The Stick of Truth
31/1/2014 - Wii U
15/1/2014 - Batman: Arkham Origins
7/1/2014 - Kingdom Rush e Kingdom Rush: Frontiers
27/12/2013 - Pro Evolution Soccer 2014
22/11/2013 - Assassin’s Creed IV: Black Flag
1/11/2013 - Tom Clancy’s Splinter Cell: Blacklist
25/10/2013 - Rayman Legends
14/10/2013 - Grand Theft Auto V
19/8/2013 - The Last of Us
5/6/2013 - Call of Juarez: Gunslinger
1234567... 9


· Busca Avançada

Login
Senha
Lembrar de mim:
Ainda não é cadastrado?
Então clica aqui!







Copyright © Delfos 2004 - .